Dieta para emagrecer, implementada de forma responsável, com o objectivo de perder peso e atingir o peso ideal. Dieta para emagrecer de modo rápido, saudável, dieta da sopa, tudo o que diz respeito às formas de perder peso. Tentamos compilar aqui todas as informações relevantes.


quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Dieta do tipo sanguíneo

O que propõe

Nesta dieta, idealizada pelo americano Peter D’Adamo, há alimentos que estimulam o aumento e a perda de peso dependendo do tipo de sangue da pessoa. A nutricionista Paula Della Rosa, de São Paulo, explica a teoria do norte-americano. “Para Peter, o tipo de sangue determina como o indivíduo absorve os nutrientes consumidos.

A perda ou ganho de peso estaria relacionada directamente com a ingestão de alimentos benéficos ou nocivos ao organismo, segundo seu tipo sanguíneo”. Esses alimentos ‘bons’ e ‘maus’ para cada grupo (A, B, O e AB), estariam divididos entre aqueles que devem e que não devem ser consumidos.

Por exemplo, a uma pessoa do tipo AB indica-se alimentos como carne de carneiro, atum, ricota, farinha de centeio e uva. Já a carne bovina, a banana e o leite integral são nocivos às pessoas com este tipo de sangue.
Para o tipo O, o ideal é consumir carne bovina, salmão, ameixa e figo. Não são bem-vindos aveia, derivados do leite e carne de porco.

As recomendações para o tipo B são carne de coelho e de peru, além de bacalhau, linguado, leite desnatado, arroz, aveia, batata e bastante azeite de oliva. Este tipo deve evitar frango, camarão, queijo fundido, caqui, tomate e milho, por exemplo.

Por fim, o tipo A pode comer carne de avestruz, truta, salmão, queijo de soja, cebola, cenoura, amora, damasco, abacaxi. Deve evitar carne de boi, camarão, creme de leite, banana, repolho e pão integral.

Sem comprovações científicas, esse programa não faz restrições quantitativas, mas sim qualitativas. No entanto, o ideal é que seja seguido um cardápio com café da manhã, almoço, jantar e lanches entre as refeições principais. Assim, é possível perder de quatro a cinco quilos em um mês. Profissionais da área acreditam que a dieta deve ser seguida como estilo de vida, durante a vida toda.

Como é feita

Cada grupo sanguíneo deve incluir alguns alimentos e eliminar outros de sua dieta.

Tipo O

Para perder peso, o tipo O deve priorizar o consumo de algas, brócolos, peixes e frutos do mar, carne bovina ou de cordeiro, couve-manteiga, espinafre. Os alimentos que incentivam o aumento de peso são couve-flor, feijão, lentilha e derivados do trigo.

No café da manhã um copo de leite de soja, três torradas sem glúten com manteiga ou geleia e um figo. Nos lanches (feito entre as refeições principais), uma ameixa preta ou vermelha. No almoço e jantar: salada de acelga, brócolos, cebola, escarola ou espinafre, um filé de carne vermelha (mignon ou contrafilé) grelhado, duas batatas cozidas e uma fruta.

Tipo A

No caso do tipo A, indica-se abacaxi, verduras em geral, óleos vegetais e grãos a base de soja. Os alimentos que facilitam o ganho de peso são carne, feijão e derivados leite. O café da manhã deve ter um copo de leite, um pão de centeio com uma fatia de queijo. Nos lanches um copo (200 ml) de suco de limão ou amora, ou uma fruta como abacaxi, figo ou damasco. No almoço e jantar, três colheres de arroz integral, um filé de frango ou salmão, uma porção de cenoura (ou de espinafre) e uma fruta de sobremesa.

Tipo B

O tipo B se dá muito bem com os lacticínios e deve priorizar os derivados de leite com baixo teor de gordura, como iogurte e leite desnatado, ricota e queijo light, chás, verduras e carne de coelho ou carneiro. Aumenta o peso alimentos como milho, trigo, lentilha, amendoim e gergelim. No café da manhã é sugerido um pão de aveia com uma fatia de ricota, um copo de leite e uma banana ou metade de um mamão. Nos lanches, um copo (200 ml) de suco de uva ou de abacaxi ou um pote de iogurte. Almoço e jantar incluem salada de beterraba, brócolos ou couve, três colheres de arroz integral, um filé de carneiro ou cordeiro (grelhado) e uma fruta.

Tipo AB

Pessoas com sangue AB devem evitar derivados do trigo como pães, biscoitos, bolos e macarrão; feijão, milho, nozes e carne vermelha. Para perder peso devem consumir abacaxi, peixe, derivados do leite e queijo de soja. No café da manhã, uma fatia de pão de centeio com uma fatia de queijo cottage, um iogurte ou um suco de abacaxi ou uva. Nos lanches pode-se consumir uma fruta (fatia de abacaxi, ameixa, figo ou kiwi) ou um pote de iogurte. No almoço e jantar, salada de beringela, beterraba, pepino ou couve, uma porção de omeleta ou uma de carne branca, uma ou duas mandiocas cozidas e duas colheres de arroz. Fica proibido mais de uma fonte de proteína no almoço e jantar.

Promessa

A quantidade de peso perdida não é exacta, chega a se perder até quatro quilos em um mês, mas depende, entre outros factores, da quantidade de exercícios físicos praticados. “Não é possível quantificar exactamente a perda de peso de uma pessoa, há factores como o metabolismo individual que também influenciam na redução do peso”, explica a nutricionista Paula Della Rosa. Então, além dos alimentos específicos a cada grupo sanguíneo, é importante a prática de exercícios físicos, no mínimo duas vezes por semana. Os mais indicados são: alongamento (AB), corrida ou natação (B), ioga ou artes marciais (A) e dança ou esteira (O).

Contra-indicação

Fazer essa dieta em grupo ou em família é um inconveniente, já que geralmente cada pessoa tem um tipo de sangue. A dieta do tipo sanguíneo não tem comprovação científica e médicos e especialistas concordam que o tipo de sangue não tem influência alguma na química do organismo ou da digestão.

A nutricionista alerta para restrições como carne bovina, cereais e derivados do leite, que podem causar deficiências ao organismo. “A restrição indeterminada de alguns alimentos pode levar à falta de nutrientes, que podem comprometer o metabolismo e o funcionamento orgânico.

Para se fazer uma dieta com restrições, o ideal é procurar um especialista que poderá compor um plano alimentar, além de prescrever suplementos”, esclarece Della Rosa.
quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Dieta da moda

O termo “dietas da moda” é normalmente utilizado para descrever recursos e modificações dietéticas utilizadas com o objetivo principal de perda de peso corporal (emagrecimento rápido) e que geralmente são muito difundidos na população, especialmente entre mulheres.

A origem dessas dietas, em sua maioria, é desconhecida, não apresenta fundamento técnico ou científico e não há um “responsável” por elas ou “autor” conhecido. Por outro lado, a promessa de resultados rápidos faz que os usuários nem sequer se preocupem com esse facto. Algumas das dietas tidas como “da moda” são produzidas e veiculadas por médicos ou outros profissionais de saúde que por meio de publicações em livros, periódicos científicos e até na mídia acabam por tornarem-se famosas.

O princípio geral de todas elas é causar um desequilíbrio entre o total de calorias ingerido e o gasto energético, de modo a promover catabolismo (degradação) das gorduras do organismo que comumente se acumulam pelo corpo provocando efeito estético indesejável.
Em geral, a forma utilizada para promover esse desequilíbrio energético está pautada na omissão ou proibição do consumo de um determinado grupo de alimentos ou nutrientes. Outras dietas estimulam a ingestão exagerada de alguma substância ou nutriente com a promessa de que funcionará como um “queimador de gordura” ou “acelerador de metabolismo”.

Infelizmente, até hoje essas dietas não apresentaram resultados eficazes e duradouros. Quando “funcionam”, em geral seu efeito é apenas em curto prazo e elas ainda provocam, com a perda de peso, a degradação da condição de saúde. Isso porque estão associadas a deficiências de nutrientes específicos, redução da massa muscular, mau humor, tonturas, falta de energia e até mesmo doenças mais graves como anemia, dislipidemia, hipertensão, carência de vitaminas e minerais, constipação, reações alérgicas, entre outras.

O risco associado à prática de uma dieta sem equilíbrio nutricional está também no efeito sanfona, pois o emagrecimento muito rápido gera uma diminuição de massa muscular significativa ligada à chamada perda da gordura. Como os músculos são os principais responsáveis pelo aumento do metabolismo, sua degradação torna a taxa metabólica menor e assim que a pessoa encerra a dieta e volta a comer normalmente, recupera todo o peso perdido e ainda mais um pouco. Esse é o chamado efeito sanfona.

Alguns exemplos de dietas, suas características e riscos:


À base de proteínas, sem carboidrato, açúcar e frutas, a dieta estimula o consumo de gorduras e proteína animal. O desequilíbrio metabólico provoca um emagrecimento, além da própria gordura da alimentação gerar sensação de saciedade e diminuição do apetite.

Dieta de Beverly Hills

Caracterizada pelo consumo de apenas frutas, sugere que as enzimas acelerem a queima dos depósitos de gordura. A dieta é monótona e provoca carência de vitaminas.

O regime da Lua

Sugere ingerir só líquidos durante as 24 horas antes de cada fase da Lua. Como a água facilita os processos de excreção, a perda de peso não está associada à perda de gordura. Além disso, pode ocorrer a perda de minerais.

Dieta da Sopa

Essa dieta é composta basicamente por muito líquido. Se a sopa for muito pobre em calorias ou nutrientes, emagrece, mas corre o risco de anemia ou carência de nutrientes. A única vantagem é que o organismo não desidrata.

Dieta do Tipo Sanguíneo

Sugere uma dieta diferente para cada tipo sanguíneo, pois acredita que, de acordo com o tipo sanguíneo, as necessidades nutricionais de cada um são diferentes e devem ser respeitadas. Não existe fundamentação científica que sustente essa teoria. Essa dieta pode gerar deficiências nutricionais importantes pelas restrições que impõe.

Dieta da Clara do Ovo

Essa dieta ganhou notoriedade quando a artista Scheila Carvalho declarou ter perdido 15 kg comendo apenas clara de ovo e batata. É claro que restringindo a dieta a apenas dois alimentos a pessoa vai sofrer de carências nutricionais.


Estimula a substituição de uma refeição por uma mistura, que deve ser colocada na água, no suco ou no leite (milk shake) para diminuir as calorias. Este método leva a carências nutricionais, é enjoativo, monótono, e pode gerar efeito sanfona, anemia e hipoproteinemia.

Dieta do Atum

Essa dieta orienta o consumo de várias porções de atum enlatado. Como a base da dieta é apenas um tipo de alimento, há carência de nutrientes como carboidratos, cálcio e ferro.
Podemos notar que todas as dietas apresentam mais prejuízos à saúde do que efeitos reais e duradouros.

A melhor maneira de conseguir emagrecer de forma saudável e eficiente é seguir uma dieta equilibrada, variada, rica em alimentos naturais, bem colorida e que contenha todos os grupos de alimentos (cereais, frutas, verduras, legumes, carnes, leite e substitutos, grãos, açúcar e gorduras saudáveis) em proporções adequadas. O melhor profissional para orientar uma dieta saudável é o nutricionista, que pode promover a educação nutricional para alcançar hábitos alimentares saudáveis e manutenção de peso dentro do adequado, com efeitos duradouros, sem sacrifícios e riscos para a saúde.

Dieta vegetariana

Atualmente, muitas pessoas estão aderindo à alimentação vegetariana, sejam por motivos religiosos, ou convicção de que não se deve comer outros seres vivos, por questões éticas (como os veganos que são indivíduos que além de não se alimentarem de carnes de animais, não utilizam os produtos provenientes deles, como couro ou peles e são contra qualquer tipo de exploração dos bichos) ou simplesmente por uma opção de tentar manter uma melhor qualidade de vida, mantendo o equilíbrio com a natureza.

O vegetarianismo pode ser definido como uma dieta alimentar que exclui todos os alimentos à base de carne de todos os tipos, além de peixes, crustáceos e aves, tendo como princípio básico o consumo somente de alimentos de origem vegetal podendo ou não estar associado à ingestão de ovos ou laticínios.

Existem quatro tipos de dietas vegetarianas, que são denominadas de acordo com os tipos de alimentos que as pessoas ingerem.

Classificação das Dietas Vegetarianas

As dietas vegetarianas podem ser classificadas em quatro tipos:

•Ovolactovegetarianismo,que se caracteriza pelo consumo de vegetais, leite e derivados, além de ovos, só excluíndo carne de origem animal;
•Lactovegetarianismo, que é a dieta consumida pelos indianos, onde há somente a ingestão de alimentos de origem vegetal e leites e seus derivados,excluindo além da carne,os ovos também;
•Ovovegetarianismo, dieta que exclui o consumo de carnes, leite e derivados, havendo somente a ingestão de vegetais e ovos;
•Vegatarianismo estrito ou verdadeiro, que é caracterizado por uma alimentação estritamente composta por vegetais, com exclusão além dos alimentos de origem animal,também os ovos, leite e derivados.
Relação entre Nutrição e Alimentação Vegetariana

Segundo especialistas em nutrição, os alimentos de origem vegetal são ricos em magnésio, fibras dietéticas, carboidratos, Vitaminas C e E (antioxidantes), fitoquímicos, folato e potássio.

As dietas vegetarianas favorecem o baixo consumo de alimentos gordurosos, promovendo muitos benefícios à saúde do indivíduo, pelo valor nutricional que esses alimentos promovem. No entanto, as pessoas que se alimentam somente de vegetais podem apresentar alguma deficiência de iodo, ferro, cálcio, zinco, selênio, vitamina B12, proteínas,Vitamina D, em virtude de uma menor ingestão desses elementos, característica típica das dietas vegetarianas.

Os profissionais especializados alertam para o fato das pessoas tomarem cuidados com a falta de alguns desses nutrientes e se for o caso, adotar a prática da ingestão de suplementos alimentares, além da realização de exames de sangue periódicos, para verificar possíveis déficits dessas substâncias no organismo.

No entanto, quando a dieta vegetariana é associada com o consumo de ovos ou leite e derivados, por exemplo, esses cuidados podem ser minimizados. Uma boa alimentação de origem vegetal, deve ser caracterizada pela capacidade de suprir todas as necessidades nutricionais do organismo humano, para que não haja prejuízos à saúde dos indivíduos.

Benefícios da Alimentação Vegetariana

De acordo com a ADA ( American Dietetic Association) a alimentação vegetariana, se for planejada de maneira adequada, deve ser consumida em todas as épocas da vida das pessoas sejam crianças, adultos, idosos, ou gestantes, pois não oferece riscos à saúde dos indivíduos, sendo saudáveis e promovendo inclusive, uma melhor prevenção de doenças como hipertensão, diabetes, alguns tipos de tumores e complicações cardiovasculares.

Porém essa opinião não é unânime, existem algumas instituições de nutrição que são mais conservadoras e orientam precaução na opção por uma alimentação estritamente vegetariana, ressaltando os cuidados que se deve ter com possíveis déficts de cálcio ou de vitamina B12.

Nutrientes Presentes em Alimentos de Origem Vegetal

Especialistas que atuam na Toronto Vegetarian Association, informam que as pessoas vegetarianas ingerem alimentos com vários nutrientes como cálcio, proteína e ferro, pois normalmente consomem legumes, vegetais, grãos e frutas que são ricos nessas substâncias. Para facilitar a opção dos indivíduos por uma alimentação à base de vegetais,os especialistas informam alguns nutrientes, e em quais alimentos podem ser encontrados.

•Cálcio – Nutriente encontrado em legumes, leite de soja, tofu, vegetais folhosos, figos, semente de gergelim e algas, além de produtos derivados do leite.
•Vitamina D -Formada a partir da luz solar indireta ou diretamente, essa vitamina é armazenada no organismo humano, durante a estação do verão, para utilização na estação do inverno.Vale ressaltar, que alguns protetores com fator maior que 8FPS podem impedir a síntese dessa vitamina.
•Zinco – Nutriente encontrado em germe de trigos, tofu, grãos integrais,como arroz, massas e pão,sementes de brotos e legumess, além de derivados de leite e ovos.
•Vitamina B12 – Os especialistas ressaltam que o déficit da Vitamina B12 pode levar à anemia, portanto é necessário muito cuidado com a sua ingestão.Alguns alimentos onde ela pode ser encontrada são: Queijo, ovos, iogurte, leite, e em caso de vegetarianos estritos, em suplementos vitamínicos.































terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

Dieta mediterrânica

Uma dieta rica em fruta, vegetais, cereais, peixe e legumes secos - tradicionalmente seguida nos países mediterrânicos - está agora a ser defendida pelos nutricionistas mundiais. Este tipo de regime alimentar, além de promover a saúde, funciona como medida terapêutica em doentes com problemas coronários. Em Portugal, calcula-se que apenas um terço da população mantém ainda estes saudáveis hábitos alimentares

HÁ cerca de 35 anos, Ancel Keys e os seus colegas da Universidade do Minnesota publicaram conclusões que, se então tivessem merecido as atenções devidas, teriam prolongado a vida de milhões de pessoas durante pelo menos 30 anos e de muitos mais milhões no decorrer dos próximos anos.

Os investigadores analisaram a relação entre o regime alimentar e os índices de doenças cardíacas em sete países, tendo concluído que as pessoas que viviam ao longo da costa mediterrânica sofriam apenas uma percentagem mínima de ataques cardíacos e doenças das coronárias quando comparadas com aquelas que viviam noutros países ocidentais industrializados.

Entre as pessoas da região mediterrânica, a gordura consumida na alimentação era maioritariamente de origem vegetal; entre os outros, a dieta era rica em gorduras animais altamente saturadas, oriundas da carne e dos lacticínios.
Nos anos que se seguiram ao estudo sobre esses sete países, outros investigadores ajudaram a identificar as particularidades fundamentais daquilo que passou a ser conhecido sob a designação de dieta mediterrânica, ao mesmo tempo que numerosos livros de cozinha propunham pratos deliciosos que até contribuem para proteger o coração e os vasos sanguíneos e, como bónus, podem mesmo prevenir o aparecimento de diversos tipos comuns de cancro.

Os estudos vieram confirmar as observações feitas inicialmente por Ancel Keys e provaram que as mortes devidas a doenças das coronárias são muito menos comuns nos países mediterrânicos do que no norte da Europa.

O estudo mais recente, publicado no mês passado no «Circulation», boletim da American Heart Association, é o resultado de quatro anos de acompanhamento médico feito, em França, junto de 400 homens e mulheres; todos tinham sofrido um ataque cardíaco e corriam o risco de sofrer outro.

A metade dos participantes no estudo foi recomendado que passassem a fazer uma dieta do tipo mediterrânico, rica em fruta, vegetais, cereais, peixe e legumes secos, sendo a outra metade aconselhada a seguir uma dieta ocidental mais tradicional, com relativamente pouca gordura, gordura saturada e colesterol.

A tendência verificada entre aqueles que seguiram a dieta mediterrânica foi de uma redução entre 50 e 70% dos casos de recorrência de doença cardíaca, em comparação com o grupo que seguiu a alimentação tradicional.

A característica mais surpreendente e gastronomicamente mais agradável deste regime alimentar que foi revelada por esta investigação talvez tenha sido o facto de a dieta não precisar de ser pobre em gordura para proteger o coração. Em vez de insistir na não adição de gordura aos alimentos e na interdição de produtos contendo gordura animal, os defensores da dieta mediterrânica incluem uma percentagem considerável de gordura, quase todas sob a forma de óleos: azeite, óleos de sementes e de frutos secos e óleo de peixe.

Contudo, a carne na dieta mediterrânica tradicional é apenas ocasional e mais utilizada como condimento do que como base principal das refeições. Pelo contrário, este regime apresenta grande variedade de frutas e hortaliças, legumes e frutos secos, bem como em cereais sob diversas formas (pão, massas, arroz, trigo duro), frequentemente cozidos e temperados com azeite.

Os alimentos predominantes de origem animal são o peixe, o iogurte e o queijo (geralmente queijo magro de cabra). O vinho é normalmente bebido com moderação às refeições.

No estudo recém-publicado, efectuado por Michel de Lorgeril e por colegas seus em Lyon, 30% das calorias da dieta mediterrânica em análise vinham de gorduras e 8% de gorduras saturadas, comparadas com 34% de calorias derivadas de gorduras e quase 12% de gorduras saturadas na dieta do outro grupo. A ingestão de colesterol foi, em média, de 212 miligramas por dia na dieta mediterrânica, ao passo que na dieta do grupo de controlo foi de 312.

O grupo que seguiu a dieta mediterrânica também consumiu mais fibras, antioxidantes e vitaminas B, que se encontram nos frutos e hortaliças e contribuem para diminuir as lesões arteriais que precedem as doenças cardíacas.
O que há de tão especial no azeite ou nos óleos de sementes e frutos secos, como o óleo de noz, de canola ou de linhaça? Em primeiro lugar, são óleos insaturados que não aumentam os níveis de colesterol no sangue. São também ricos em ácido alfa-linoleico, um ácido gordo ómega 3 que se encontra apenas em plantas e constitui um nutriente essencial da alimentação humana. Juntamente com os óleos de peixe, que são igualmente ricos em ácidos gordos insaturados ómega 3, estes óleos têm diversos efeitos sobre o organismo, entre eles o de prevenir ou reduzir as doenças cardíacas e das coronárias.

Estudos efectuados em animais e seres humanos apontam para a redução do risco de coágulos sanguíneos, a prevenção de alterações do ritmo cardíaco, menos inflamação e obstrução dos vasos sanguíneos por depósitos de gordura e colesterol e prevenção de morte súbita por paragem cardíaca (este último efeito está geralmente associado aos óleos de peixe).

Uma conclusão interessante do estudo de Lyon foi que, embora se tenha prolongado por apenas 27 meses, a maioria dos participantes que estiveram no primeiro grupo experimental continuaram a seguir a dieta.

(artigo publicado originalmente aqui.)

Dieta da zona

A Dieta mais seguida de Hollywood

A famosa Dieta da Zona foi criada pelo Dr. Barry Sears (cientista norte-americano) há mais de quinze anos e graças aos bons resultados obtidos ao longo deste tempo em numerosos países, esta dieta foi seguida pelos famosos como Madonna, Jennifer Aniston, Brad Pitt ou Cindy Crawford.

A Dieta da Zona é muito mais que uma dieta de
emagrecimento é uma maneira de ganhar saúde, rejuvenescer e adquirir a sensação de bem-estar fisico e mental que todos ansiamos.
Em que consiste a Dieta da Zona?
O princípio desta dieta é manter os nivéis de insulina no sangue estáveis. Segundo o Dr.Barry Sears científico norte-americano, o excesso de insulina no sangue é o causador da acumulação de gordura no corpo como consequência do excesso de carbohidratos do regime alimentar da sociedade moderna.

Os Principais benefícios da Dieta da Zona são:             
  •  Perder peso gradualmente.
  • Melhorar o estado de saúde geral do corpo, aumentando a nossa energía e vitalidade.
  • Controlar as funções hormonais do organismo e manter a insulina em óptimos níveis.
  • Reduzir os sintomas do envelhecimento.
  • Reduzir os síntomas de algumas patologías como a hipertensão, a diabetes, o cancro, a menopausa, a depressão...
O que marca a diferença  da Dieta da Zona em relação a outras dietas  é que não só se fundamenta no princípio de todas as dietas que é emagrecer, mas no estado geral de saúde do corpo, tornando-se assím uma dieta adequada para qualquer pessoa que pretenda manter a saúde e a sensação de bem-estar físico e mental.
O princípio da Dieta da Zona baseia-se no equilíbrio entre proteínas, carbohidratos e gordura. A famosa fórmula recomendada pela Dieta da Zona é 40-30-30, isto significa  que a ingestão diária dos alimentos deve provir de 40% de carbohidratos, 30% de proteínas e 30 % de gorduras, sendo porisso  conhecida como a dieta dos 40-30-30.
É importante que em cada uma das cinco refeições que realizamos ao longo do día haja este perfeito equilíbrio não deixando passar mais de 4 a 5 horas entre uma refeição e outra para que os níveis de açúcar no sangue mantenham-se estáveis.
Estar naZona é o começo de uma vida mais saudável, mais longa e mais satisfatória.

Como funciona a dieta

Na Dieta da Zona a combinação dos três grupos de nutrientes nas proporções correctas: proteínas, hidratos de carbono e gordura em cada refeição consegue estabilizar os nivíes de insulina  no sangue evitando assím a acumulação de gordura corporal e favorecendo a perda de peso de forma saudável. 

Os benefícios obtidos com esta dieta têm mais a ver com equilibro entre as proteínas, os hidratos de carbono e a gordura ingeridos de forma simultânea  do que com o número de calorias dos alimentos. 

Conselhos e pautas a seguir para o bom funcionamento da dieta.
Coma frutas e vegetais, só estão permitidas as de baixo indíce glicémico sempre acompanhadas da proteína e da gordura adequada.
Devemos sempre respeitar os horarios das refeições.
Tome o pequeño almoço no espaço de uma hora depois de levantar-se, procure não ultrapasar esse tempo.
Entre uma refeição e outra não deixe passar mais de cinco horas sem comer, o ideal é realizar cinco refeições diárias, três principias e dois ligeiras.

Exemplo do horario de um dia.
Pequeno Almoço: 08.00h.
Meia-Manhã:11.00h.
Almoço: 13.00h.
Lanche: 17.00h.
Jantar:20.00h.
É conveniente tomar alguma coisa antes de ir a dormir unicamente se transcorrem dois horas depois do jantar.
Devemos eliminar por completo da nossa alimentação os hidratos de carbono refinados como: açúcar, bolos, doces, bolachas, alimentos pré-cozinhados como lasanha ou canelones, refrescos etc...
Reduzir o consumo de pão , massas, arroz ,batata e de todos os alimentos que derivam de cereais refinados.

Cuidado com a cafeína.É bem sabido que o café e o chá não possuem calorías, mas infelizmente ambos são potentes estimuladores dos níveis de insulina.
Se não é capaz de rejeitá-los, pelo menos, procure toma-los junto com alguma refeição e nunca isolados. Ao ingerir-los com a comida ou outros alimentos impedem de certa forma o aumento da insulina provocada pela cafeína do café e a teína do chá preto ou verde.

Deve ser muito organizado com os menus.Planeie as suas refeições com antecedência. Procure não saltar nenhuma refeição inventando algum pretexto. Não substitue um alimento apropriado por outro que não faz parte da dieta.
Tenha o seu frigorifico e despensa bem fornecidos com os alimentos requeridos pela dieta.
Faça uma lista da compra uma vez por semana.

É recomendável incluir na lista da compra todos os productos que necessite de acordo com os menus que planeia fazer. Para evitar tentações limite-se a comprar obrigatoriamente só o que vem na lista.
Lembre-se que está a cumprir uma dieta, os resultados que obtiver dependem de uma série de factores mas os principias são sem dúvida a sua disposição e o seu empenho.

Faça exercicio, a melhor prática e acessível a todos é caminhar, meia-hora ao dia é suficiente.
Estes são os benefícios que começara a notar ao cabo de uns dias.
  • Redução de volume corporal porque vai perder gordura não massa muscular, a cinta métrica é a sua aliada não a balança.
  • Efeito saciante, ausência da sensação de fome entre uma refeição e outra.
  • Menos avidez pelos carbohidratos.
  • Maior concentração mental.
  • Mais vitalidade e rendimento fisico.
  • Melhoria das doenças crónicas.
Em suma, gozar de melhor saúde e bem estar.

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Dieta das proteínas


Comer sem restrições de quantidade e mesmo assim emagrecer é sem sombra de dúvida apelativo. Saiba tudo sobre a dieta das proteínas seguida por inúmeras celebridades.


A dieta das proteínas tem origem na célebre dieta do Dr. Atkins popularizada por imensas estrelas de cinema. Publicada originalmente em 1972, sofreu de imediato o repúdio da comunidade científica e o apoio entusiástico de muitos seguidores. Apesar de originalmente os resultados deste tipo de dieta não serem reconhecidos pelos nutricionistas, a evidência acumulada veio dar razão ao seu proponente. Hoje em dia é aceite por muitos especialistas que uma dieta rica em proteínas e pobre em carbohidratos, apesar de ser desequilibrada do ponto de vista nutricional, é um método eficiente de perder peso.


A grande vantagem da dieta das proteínas é saber que pode comer sem grandes restrições em relação à quantidade ingerida e mesmo assim emagrecer. No entanto existe um senão. Apenas se pode ingerir à vontade alimentos ricos em proteínas.


É sabido que dietas com consumo superior a 1300 calorias diárias têm poucas hipóteses de dar certo. Então porquê o sucesso deste tipo de dieta? Aparentemente as pessoas mesmo podendo comer à vontade acabam por comer pouco se forem proibidas de comer pão, massas, bolos, batatas e outros alimentos ricos em carbohidratos.


As carnes e os peixes possuem uma elevada percentagem de proteínas e baixa quantidade de carbohidratos, atributos que fazem destes alimentos uma peça central da dieta. Mas cuidado! Esta não é uma dieta equilibrada e alguns especialistas suspeitam que embora faça baixar o seu peso possa levar concomitantemente a aumento de ácido úrico ou a problemas renais pelo que não deve ser seguida por doentes renais ou com gota. As últimas informações são de que o colesterol não aumenta se seguir um plano deste tipo, mas não confie demasiado Se tem o colesterol já muito elevado, faça análises regulares e aconselhe-se com o seu médico. O plano de dieta apresentado não deverá ser seguido sem supervisão médica por longos períodos de tempo.


Dieta Tipo


PEQUENO-ALMOÇO
Queijo (magro): 1-2 fatias finas
Ovos: 1 ou 2.
Limonada fraca (1/2 limão), café ou chá


MEIO DA MANHÃ
Presunto (de aves ou de porco): 3-4 fatias


ALMOÇO
Carnes brancas à vontade (peixe ou frango), preparada a seu gosto (de preferência grelhados), 2-3 claras de ovos mexidas, alface tomate


LANCHE
Iogurte magro (1 ou 2)


JANTAR
Refeição também a base de proteínas, mas com mais liberdade no tocante à variedade de carnes e peixe. Verdura a acompanhar. Gelatina dietética como sobremesa


Alimentos permitidos 
Fontes de proteínas: carne, peixe, marisco, atum, verduras, saladas, presunto, fiambre.
Fontes de fibras: abóbora, agrião, aipo, alface, beringela, brócolos, cebola, cenoura, cogumelos, couves e repolhos, espargos, espinafre, feijão, verde, pepino, pimentos, tomate.


Alimentos proibidos
Álcool, bolos, pão, bolachas, milho, massa, arroz, batata, doces, banana, uva, figo e fruta com muito amido, cereais, nabo, rabanete, beterraba e refrigerantes não dietéticos.


Alimentos a ingerir moderadamente 
Carne gorda, queijo e ovos.


Fruta não recomendada
cereja, figo, maçã, pêra, pêssego, romã.


• Durante as primeiras duas semanas, não usar os vegetais com mais conteúdo de carbohidratos como as cenouras e o feijão verde, mas depois introduzi-los na alimentação.


• A fruta mencionada como não recomendada não deve ser consumida na fase de perca de peso mas deve depois ser introduzida com moderação na alimentação.


• As únicas fontes de fibras desta dieta são as saladas cruas, a variedade permitida é muito grande e a ingestão de verduras e legumes facilita o processo digestivo e previne a prisão de ventre por isso não as elimine.


• Beba no mínimo 2 litros e meio de água por dia.


• Se tiver fome entre as refeições coma fiambre, presunto, carne assada, atum magro, ovos cozidos ou gelatina de dieta.


Fonte
domingo, 20 de fevereiro de 2011

Dieta do chá verde


CARDÁPIOS : cardápio leve + chá verde = corpo enxuto


O sabor é amargo, mas logo você vai descobrir que o sacrifício de beber algumas xícaras de chá verde todos os dias vale a pena. Só para começar a lista de benefícios: ajuda a secar gordurinhas. É sério! Essa bebida milenar (e tão na moda atualmente) tem o poder de emagrecer. E existe comprovação científica. Uma pesquisa publicada no American Journal of Clinical Nutrition, conceituada revista da Sociedade Americana de Nutrição, acompanhou dois grupos de gordinhos. Os dois seguiram um cardápio de baixa caloria. Mas só o primeiro bebeu de seis a oito xícaras de chá verde por dia. No final do estudo, esses pacientes queimaram 4% a mais de gordura que o grupo que passou longe do chá. A explicação é que a bebida tem ação lipolítica. Não só isso: “O chá verde acelera o metabolismo, desintoxica e facilita a digestão”, diz a nutricionista Vanderlí Marchiori, especializada em fitoterapia e colaboradora da Associação Paulista de Nutrição. Mas não vale dar um ou dois golinhos – você tem de se comprometer a, diariamante, tomar pelo menos cinco xícaras. Siga ainda o cardápio (veja a seguir) criado pela nutricionista Simony Gaboardi, da Clínica Vanderlí Marchiori, em São Paulo. A combinação chá verde + dieta faz você emagrecer até 5 quilos em 15 dias!


OUTROS PODERES 
Emagrecer é apenas uma das vantagens do chá verde. Estudos feitos em importantes centros de pesquisa dos Estados Unidos e da Europa mostraram que também faz bem para a pele. Extraído da planta Camellia sinensis, tem altas concentrações de antioxidantes, considerados até mais potentes que os carotenos e as vitaminas C e E, substâncias que atuam contra as rugas precoces. Outra pesquisa, desta vez realizada na Universidade de Tohoku, no Japão, e publicada recentemente no The Journal of the American Medical Association (Jama), mostrou que a erva é eficaz na prevenção de doenças do coração. Seus compostos reforçam as artérias, diminuem as taxas de colesterol ruim e bloqueiam o acúmulo de gordura na parede dos vasos sanguíneos. O consumo habitual também previne inflamações na gengiva e até tumores malignos de boca e mama. “Substâncias como as catequinas e os bioflavonóides são capazes de impedir alterações no DNA das células, o primeiro passo para o desenvolvimento de um câncer”, diz Vanderlí. Um teste de laboratório apontou mais um efeito positivo do chá verde: melhora a memória. Mas os estudos para comprovar mais esse efeito estão só no começo.



COMO PREPARAR
É muito fácil preparar o chá verde, mas há alguns segredinhos importantes para você preservar os princípios ativos da erva. Vamos lá: Coloque a água para ferver e assim que surgirem as primeiras bolhas de ar (antes de começar para valer o processo de ebulição), apague o fogo. Acrescente a erva (o ideal são 2 colheres de sopa para 1 litro de água, mas comece com apenas 1 colher, pelo menos até você se acostumar com o sabor do chá) e abafe por 2 ou 3 minutos. Depois é só coar e tomar.


GOSTINHO BOM 
Dá, sim, para deixar o chá verde mais gostoso. Você pode combiná-lo com cidreira, hortelã, erva-doce, casca de frutas (abacaxi ou manga) ou maçã seca para suavizar o sabor amargo, sem interferir nos efeitos terapêuticos da Camellia sinensis. Faça assim: ferva 1 litro de água com 1 pedaço médio de casca de abacaxi ou 1 punhado de folhas de cidreira, por exemplo. Desligue o fogo e acrescente o chá verde. Abafe por 2 ou 3 minutos e coe.



DÚVIDAS SOBRE O CHÁ VERDE:


Quantas xícaras de chá devo beber por dia para emagrecer?
De cinco a seis xícaras. Se você quiser ir além, fique à vontade. Segundo o clínico geral e fitoterapeuta Miguel Mussi, do Centro de Terapias Integradas, no Rio de Janeiro, o consumo do chá verde é milenar e não há notícias de efeitos colaterais, a não ser em quem tem sensibilidade à cafeína presente na composição. 
Qual a temperatura e o horário ideais para se beber o chá?

Em jejum, o ideal é tomar o chá morno – cai melhor no estômago vazio. Nos demais horários (lanches da manhã e tarde, meia hora antes ou duas depois das refeições principais), tome-o na temperatura que você preferir – quente, frio ou gelado –, desde que tenha sido feito da maneira adequada. E se você tiver insônia, tome a última xícara no máximo até as 17 horas. 
Posso adoçar o chá verde?
 
Sim, mas use uma quantidade pequena de mel (uma colher de chá) ou de estévia. Açúcar e adoçantes químicos prejudicam o poder do chá de desintoxicar o organismo, dificultando a
perda de peso.
 
O chá de saquinho funciona?

“Geralmente, o chá de saquinho traz várias partes da planta, como folhas e talos. Isso diminui a concentração dos princípios ativos da erva e o efeito acaba sendo apenas aromático”, diz Vanderlí. Ela sugere que você invista no chá verde da Weleda, Mãe Terra, Moinho Especial, Natural Med, Yamamotoyama, ArmaZen ou Panizza Laboratório Fitoterápico. “São marcas que selecionam a parte correta da planta, além de secar, embalar e armazenar a erva de maneira adequada.” Na minha cidade só tem o chá em sachê. O que devo fazer? Nesse caso, escolha um produto que traga no rótulo a informação de que a planta usada é a Camellia sinensis. 
Posso tomar cápsula no lugar do chá?
 
Ao contrário do saquinho, a cápsula costuma ter uma dose altíssima do princípio ativo, o que pode interferir na qualidade do sono e na pressão arterial. Portanto, só deve ser usada se houver a indicação de um profissional (endrocrinologista, homeopata, fitoterapeuta ou nutricionista) de sua confiança.

O chá preto e o banchá têm o mesmo efeito do chá verde? 
Todos os três são extraídos da mesma planta, a Camellia sinensis. A diferença é que o chá preto e o banchá passam por processos diferentes de torrefação e fermentação que reduzem os benefícios da erva, especialmente no caso do chá preto. O banchá oferece benefícios mais próximos ao do chá verde e tem o sabor mais suave. 
Dá para fazer o chá horas antes de consumí-lo?

O ideal é beber o chá logo após ficar pronto, antes que o oxigênio do ar destrua parte dos componentes ativos. “Mas a bebida preserva substâncias importantes para o corpo até 24 horas após o preparo. Depois disso, as perdas são consideráveis”, explica Vanderlí. Então, para facilitar a dieta, prepare de uma só vez a quantidade de chá necessária para um dia, e coloque-o numa garrafa térmica ou jarra de vidro ou inox (evite recipientes de plástico ou alumínio) dentro da geladeira. 
Existe algum segredo para armazenar a erva?
Em local seco, fechado e ao abrigo da luz. 
Tem alguma contra-indicação?
 
Sim. Grávidas, pessoas hipertensas ou com gastrite. Se estiver usando algum medicamento também é aconselhável perguntar ao seu médico se você pode consumir o chá verde.



Benefícios Fisiológicos e Terapêuticos do Chá Verde (Camellia sinensis)
Segundo pesquisas científicas desenvolvidas na Ásia, Europa e América do Norte
• Combate o envelhecimento precoce das células;
• Auxilia na regeneração da pele; 
• Promove a longevidade saudável;

• Reduz o colesterol total e níveis de LDL (mau colesterol);
• Aumenta os níveis do HDL (bom colesterol);
• Reduz a pressão arterial; 
• Actua como anti-coagulante intravascular;

• Reduz o risco de enfarte do miocárdio; 
• Reduz os riscos de AVC (derrame cerebral);
 
• Reforça os vasos sanguíneos;
 
• Reduz os riscos de vários tipos de câncer;
•Fortalece o sistema imunológico; 
• Atua como anti-inflamatório e antigripal;

• Ajuda a dilatar os brônquios, facilitando a respiração dos asmáticos; 
• Auxilia nos tratamentos de gripe, bronquite e pneumonia;

• Protege o sistema gastrointestinal de bactérias nocivas;
• Auxilia nos processos digestivos; 
• Previne a formação de pedras na vesícula e nos rins;

• Ajuda a normalizar a função da tiroide;
• Previne cáries dentárias e gengivite. 


Cardápio

jejum
1 xícara (200 ml) de chá verde (de preferência puro e morno, todos os dias)

1ª OPÇÃO
café-da-manhã
1 copo (200 ml) de leite de soja com 6 morangos, 1 col. (sopa) de granola light e 1 col. (chá) de mel (se necessário) + 1 torrada integral com 1 col. (chá) de requeijão light
lanche da manhã
1 pêra + 1 xíc. (200 ml) de chá verde com maçã seca
almoço
1 prato (sobremesa) de salada de escarola e pepino com 1 col. (sobremesa) de castanha de caju + 1 pedaço de frango (sem pele) grelhado com alecrim e tomate seco + 2 col. (sopa) de arroz integral + 1/2 concha de feijão + 3 col. (sopa) de abóbora refogada + 1 fatia de abacaxi
lanche da tarde
3 damascos secos + 1 xíc. (200 ml) de chá verde com maçã seca
jantar
1 prato (sobremesa) de salada de brócolis e couve-flor + 1 bife pequeno grelhado acebolado + 2 col. (sopa) de arroz integral + 2 col. (sopa) de cenoura refogada + 1/2 banana assada com canela e cacau em pó
ceia
1 iogurte light de fruta + 1 xíc. (200 ml) de chá verde com maçã seca

2ª OPÇÃO
café-da-manhã
1 copo (200 ml) de leite desnatado com café + 1 fatia de pão integral light com 1 col. (chá) de margarina light e 2 fatias de peito de peru light + 1/2 papaia com 1 col. (sobremesa) de semente de linhaça triturada
lanche da manhã
1 barra de cereais light + 1 xíc. (200 ml) de chá verde com erva-cidreira
almoço
1 prato (sobremesa) de salada de alface com 4 ovos de codorna e 1 col. (sobremesa) de ervilha fresca + 2 col. (sopa) de arroz integral + 1 porção média de cação ao forno + 2 col. (sopa) de abobrinha e shimeji grelhados + 2 figos (ou 1 fruta da sua preferência)
lanche da tarde
1 banana amassada com 1 col. (sobremesa) de aveia e 1 fio de mel + 1 xíc. (200 ml) de chá verde com erva-cidreira
jantar
1 prato (fundo) de sopa de abóbora com agrião + 1 sanduíche com pão ciabatta (sem miolo) recheado com queijo cottage, sardinha escabeche, alface e tomate + 1 laranja-lima
ceia
2 cookies integrais pequenos + 1 xíc. (200 ml) de chá verde com erva-cidreira

3ª OPÇÃO
café-da-manhã
1 pote de iogurte light de fruta com 1 col. (sobremesa) de farelo de trigo + 1 fatia de pão integral light com 2 col. (sobremesa) de cottage + 1 fatia média de melão
lanche da manhã
1 maçã + 1 xíc. (200 ml) de chá verde com casca de abacaxi
almoço
1 prato (sobremesa) de salada de almeirão e palmito polvilhada com 1 col. (sobremesa) de queijo parmesão + 2 panquecas de frango com molho ao sugo + 4 col. (sopa) de espinafre refogado com milho verde + 1 fatia média de melancia
lanche da tarde
5 castanhas-do-pará + 1 xíc. (200 ml) de chá verde com casca de abacaxi
jantar
1 prato (sobremesa) de salada de rúcula e erva-doce + 1 batata assada e recheada com atum e cogumelo + 3 col. (sopa) de vagem refogada + 2 fatias de manga
ceia
1 fatia média de papaia com semente de linhaça triturada + 1 xíc. (200 ml) de chá verde com casca de abacaxi

4ª OPÇÃO
café-da-manhã
1 copo (200 ml) de leite de soja batido com 1 col. (sobremesa) de cacau em pó + 1 col. (sobremesa) de farelo de trigo + 2 biscoitos integrais + 1 maçã média
lanche da manhã
4 biscoitos de polvilho + 1 xíc. (200 ml) de chá verde com casca de laranja
almoço
1 prato (sobremesa) de salada de alface com 2 col. (sopa) de grão-de-bico + 2 pegadores de espaguete ao alho e óleo + 3 col. (sopa) de brócolis refogados com azeite e alho + 2 pedaços pequenos de quibe assado + 5 uvas verdes (tipo itália)
lanche da tarde
1 saquinho pequeno de soja tostada + 1 xíc. (200 ml) de chá verde com casca de laranja
jantar
1 prato (fundo) de sopa de legumes + 2 col. (sopa) de arroz integral + 2 col. (sopa) de frango xadrez + 3 col. (sopa) de chuchu e tomate ensopados + 1 rodela de abacaxi
ceia1 copo (200 ml) de suco à base de soja + 1 xíc. (200 ml) de chá verde com casca de laranja

5ª OPÇÃO
café-da-manhã
1 taça de salada de frutas (mamão, maçã e morango) com 2 col. (sopa) de iogurte natural desnatado, 1 col. (sopa) de aveia e 1 col. (chá) de mel (se necessário) + 3 torradas integrais com 1 col. (sopa) de cream cheese light
lanche da manhã
1 Polenguinho com Fibras + 1 xíc. (200 ml) de chá verde com erva-doce
almoço
1 prato (sobremesa) de repolho roxo e cubos de maçã + 2 col. (sopa) de arroz integral + 4 fatias finas de lombo magro assado + 2 col. (sopa) de farofa com couve-manteiga + 1 fatia de abacaxi com hortelã e capim-cidreira picadinhos
lanche da tarde
3 biscoitos integrais com 1 col. (sopa) de geléia light de morango + 1 xíc. (200 ml) de chá verde com erva-doce
jantar
1 prato (sobremesa) de salada de escarola com tomate-cereja e azeitona preta picada + 1 fatia média de quiche de ricota com espinafre, mussarela light e orégano + 1 mexerica
ceia
1 fatia pequena de melão + 1 xíc. (200 ml) de chá verde com erva-doce

6ª OPÇÃO
café-da-manhã
1 pote de iogurte natural desnatado com 1 fatia pequena de mamão picado e 1 col. (sopa) de farelo de trigo + 1 tapioca com 2 col. (sopa) de geléia diet de frutas vermelhas + 1 copo (200 ml) de suco de uva (sem açúcar)
lanche da manhã
2 cookies de soja light + 1 xíc. (200 ml) de chá verde com casca de manga
almoço
3 col. (sopa) de soja ao vinagrete + 2 rodelas de ricota grelhada e temperada com molho de ervas finas + 2 col. (sopa) de purê de mandioquinha + 3 col. (sopa) de seleta de legumes refogada com azeite + 1 taça de mosaico de gelatina diet
lanche da tarde
1 pote de iogurte natural desnatado com 2 col. (sopa) de extrato de soja sabor baunilha (ou chocolate) + 1 xíc. (chá) de chá verde com casca de manga
jantar
1 prato (sobremesa) de salada de alface com cenoura e rabanete em rodelas finas + 1 pastel assado de frango desfiado com requeijão + 2 ameixas vermelhas
ceia
1 rodela de abacaxi com hortelã picada + 1 xíc. (200 ml) de chá verde com casca de manga

7ª OPÇÃO
café-da-manhã

1 copo (200 ml) de leite de soja com 2 col. (sopa) de flocos de milho sem açúcar e 1 banana picada + 2 torradas com 2 col. (chá) de patê de tofu com gergelim (ou cream cheese) + 1 copo (200 ml) de melancia batida com gengibre
lanche da manhã
1 fatia fina de bolo simples + 1 xíc. (200 ml) de chá verde com hortelã
almoço
1 prato (sobremesa) de salada de rúcula, cogumelo e rabanete + 1 espeto de carne magra grelhada + 2 canelones de ricota ao molho sugo + 1 espeto de morango com chocolate meio amargo
lanche da tarde
1 pacote médio de pipoca sem manteiga + 1 xíc. (200 ml) de chá verde com hortelã
jantar
1 prato (fundo) de creme de mandioquinha + 1 cachorroquente com 1 salsicha de frango, tomate picado, 1 col. (chá) de mostarda e 1 col. (chá) de ketchup + 1 taça de musse light de limão
ceia
1 copo (200 ml) de iogurte batido com banana e ameixa + 1 xíc. (200 ml) de chá verde com hortelã

*Para montar o cardápio para 15 dias, combine as opções de refeição da maneira que você preferir.

ACOMPANHE OS ARTIGOS DO BLOG NO SEU EMAIL